ler_no_metro_poucas_palavras.jpg

O transporte público no Brasil é ruim, todos sabemos e infeliz daquele que depende desse recurso para ir e voltar, em seu pleno direito constitucional. Muita gente perde boa parte do dia sacolejando no bumba, se é que vocês me entendem. Assim, em vez de só ficar cutucando o celular, por que não aproveitar esse tempo perdido e ler um bom livro? Calma, não é nenhuma ofensa. Ler pode ser bom, sabia? E há livros divertidos, prazerosos, capazes de fazer você esquecer que está perdendo tempo num ônibus paquidérmico. Ah! uma dica: mantenha os olhos fixos no livro, não fique alternando o olhar para a janela ou para as pessoas. Isso provoca enjôo — é sério!

Comece com um desses títulos abaixo e você vai ver que o hábito vale a pena. Se o bolso estiver curto, procure na internet os sebos virtuais (http://www.estantevirtual.com.br/)— a entrega é rápida, o preço acessível e o produto vem em bom estado. O que mais você quer?

1- Ernest Hemingway: qualquer livro desse americano que ganhou o prêmio Nobel, participou das duas Guerras Mundiais, caçou leão na África, pescou marlins e casou quatro vezes, é um bom programa. Comece com “O Sol Também se Levanta”, sobre suas farras em Paris, no começo do século XX.

2- Rubem Fonseca: grande autor brasileiro, tem muitos títulos interessantes. “O Caso Morel” é bem divertido — um personagem pioneiro, porque vivia com duas mulheres.

3-“Tanto Faz”, de Reinaldo Moraes, é para ler de uma enfiada e rachar o bico o tempo todo.

4- “K”, de Bernardo Kucinski, também dá para ler em duas sentadas e conta um pouco sobre os tempos sombrios da ditadura, das torturas e dos descalabros dos militares

5- “O Apanhador no Campo de Centeio”, de J.D Salinger, conta a história de um garoto de 16 anos, atormentado com suas angústias de adolescente. Engraçado e comovente. Você vai acabar de ler antes de chegar em casa.

6- Não poderia deixar de indicar o meu livro: “Vá à Luta”, um depoimento anos 1980. Mas só se acha em sebo.

7- Quem gosta de ficção científica vai se deleitar com as obras de Arthur Clarke, craque no gênero. Experimente “As Canções da Terra Distante”. Uma verdadeira viagem espacial

8-Outro autor de ficção científica fácil de ler e sempre envolvente — muitos de seus livros viraram roteiro de filmes de Hollywood: Phillip K. Dick. Experimente “O Homem do Castelo Alto”, alucinante.

9- Mais um brasileiro: Rubem Braga. O gênio das crônicas, sempre divertidas, digestivas e interessantes. Crônica, no ônibus, é perfeito, você vai lendo aos poucos. Sugestão: “O Verão e as Mulheres”

10 – Suspense policial delicioso é “O Talentoso Ripley”, de Patricia Highsmith. Qualquer livro dela é uma viagem.

11- Diversão garantida também é “Dona Flor e Seus Dois Maridos”, de Jorge Amado. Já teve duas boas versões em filme, mas o livro é melhor ainda.

12- Gabriel Garcia Marquez, colombiano prêmio Nobel, é autor de uma obra-prima, “Cem Anos de Solidão”. Mas se você desanimar com o tamanho do livro, experimente “Minhas Putas Tristes”. Esse, não desanima.

13- Aliás, também sobre prostitutas e divertidíssimo, é o “Pantaleão e as Visitadoras”, do peruano Mario Vargas Llosa, que também faturou o Nobel.

14- Marcelo Rubens Paiva fez muito sucesso na década de 1980 com um depoimento bem legal sobre sua vida depois que ficou paralítico num acidente besta. “Feliz Ano Velho” vale a pena.

15- E não poderia deixar de citar “Lolita”, do russo Vladimir Nabokov, sobre o romance entre uma linda adolescente e um professor apaixonado — um clássico bem caliente que já teve duas versões no cinema.