cássio_poucas_palavras

A CBF, mais uma vez, abusou do seu poder egocêntrico. A divulgação do calendário de 2014, ano de Copa do Mundo, é tão abusiva que não pode conter a manifestação de alguns jogadores, uma classe profissional normalmente omissa em relação as suas principais questões.

O motivo é mais do que óbvio: a CBF não quis abrir mão de nada, de nenhuma competição e da política de amistosos da seleção que vem exercendo — mesmo com a realização da Copa do Mundo. Assim, para fazer caber todas as competições no calendário, simplesmente eliminou a pré-temporada: a primeira competição — os campeonatos regionais — terão início em 12 de janeiro, quatro dias depois do final das férias dos jogadores.

Além disso, há uma superposição dos campeonatos, o que não é novidade. Mas, para o ano que vem, em função da Copa do Mundo, há situações críticas, quase inviáveis. No primeiro semestre, por exemplo, estão previstas as seguintes competições simultâneas: campeonato estadual, Libertadores, Copa do Brasil e amistosos da Seleção Brasileira com data Fifa — o que significa, para muitos times da elite do futebol, oito ou até nove jogos por mês.

O calendário do futebol brasileiro nunca deu atenção à quantidade de jogos, ao prazo mais aconselhável para a pré-temporada ou aos jogos da Seleção Brasileira, que ocorrem simultaneamente ao Campeonato Brasileiro, desfalcando os times. Mas a previsão para 2014 foi a gota dágua. Pelo menos para 75 jogadores de times da série A e B que se juntaram para emitir um manifesto de protesto e fazer cinco reivindicações específicas.

A primeira delas, é a respeito do calendário. Querem que os campeonatos se adaptem ao calendário europeu, que tem início no meio do ano e termina no ano seguinte. Também querem que se estabeleça um teto de sete partidas por mês. Exigem o mínimo: datas fixas para férias e pré-temporada. E finalmente, solicitam o que chama-se de “fair-play financeiro”, pelo qual nenhum clube poderia terminar o ano devendo salários e outros benefícios, obrigando-os a uma planejamento no início da temporada. Reivindicações muito justas por sinal.

Hoje, além do calendário desumano e pouquíssimo prazo para a pré-temporada (à qual se atribui o grande número de lesões ocorridas durante o ano), há ainda a prática antiquada de os clubes fazerem contratos com técnicos e jogadores com valores muito além de suas possibilidades, contraindo dívidas e, em muitos casos, deixando de pagar salários em plena temporada.

Mas a questão não está na mão dos clubes, apenas. Também, e principalmente, na CBF — uma entidade que, hoje, cuida apenas dos interesses da Seleção Brasileira (ou seja, patrocinadores), organizando campeonatos que não atendem aos interesses dos clubes.  A não ser quando há interesses políticos, como os campeonatos estaduais, que procuram contemplar os clubes pequenos com jogos contra os grandes — o que não soluciona nada, já que o público tem demonstrado total falta de interesse por essa competição.

Assim, num movimento inédito no futebol brasileiro, jogadores de expressão, como Alex do Coritiba, Paulo André do Corinthians, Zé Roberto do Grêmio, Valdivia do Palmeiras, D’Alessandro do Internacional, Juninho Pernambucano do Vasco, assinaram, junto com outros  colegas de profissão, o manifesto convocando a participação de outros atletas e do público em geral para sustentar essa ideia. Espera-se que o resultado dessa iniciativa seja uma reunião com os dirigentes da CBF e uma decisão favorável a clubes e jogadores.

Veja o manifesto dos jogadores e a lista os 75 signatários:

 

Nós, atletas profissionais de futebol, com representantes em clubes das séries a e b do campeonato brasileiro, vimos, de forma oficial, demonstrar nossa preocupação com relação ao calendário de jogos divulgado na última sexta-feira (20/09) pela confederação brasileira de futebol para o ano de 2014.

Devido ao curto período de preparação proposto e ao elevado número de jogos em sequência, decidimos nos reunir, de forma inédita e independente, para discutir melhorias em prol do futebol e da qualidade do espetáculo apresentado por nós a milhões de torcedores.

Queremos ser uma parte mais efetiva deste movimento que se faz extremamente necessário e, para tanto, solicitamos uma reunião com a entidade que administra o futebol brasileiro (cbf) para tratar de questões propositivas e de comum interesse.

Estamos convictos de que dar esse primeiro passo significa caminhar na direção do profissionalismo, da transparência e da busca pela excelência no futebol de alto rendimento praticado no brasil.

Contamos com o apoio de outros atletas e convidamos todos os profissionais do futebol e apaixonados pelo esporte a se unirem a nós nesta iniciativa em benefício do futebol brasileiro.

Informaremos ao público o andamento e os resultados desta nova discussão assim que possível

Sem mais para o momento,

Alessandro (Corinthians)
Alex (Coritiba)
Alex (Internacional)
Alexandre Pato (Corinthians)
Anderson (Paraná Clube)
André Rocha (Figueirense)
Arouca (Santos)
Barcos (Grêmio)
Bolívar (Botafogo)
Cássio (Corinthians)
Ceará (Cruzeiro)
Cícero (Santos)
Corrêa (Portuguesa)
Cris (Vasco)
D’alessandro (Internacional)
Dedé (Cruzeiro)
Deivid (Coritiba)
Dida (Grêmio)
Diego Cavalieri (Fluminense)
Douglas (Corinthians)
Edson Bastos (Ponte Preta)
Edu Dracena (Santos)
Edu Schimidt (Sem Clube)
Elano (Grêmio)
Elias (Flamengo)
Fabinho (Criciúma)
Fábio (Cruzeiro)
Fábio Santos (Corinthians)
Fabrício (São Paulo)
Fahel (Bahia)
Felipe (Fluminense)
Fernando Prass (Palmeiras)
Gilberto Silva (Atlético-Mg)
Ibson (Corinthians)
Jadson (São Paulo)
Jefferson (Botafogo)
Juan (Internacional)
Júlio Baptista (Cruzeiro)
Juninho Pernambucano (Vasco)
Kleber Gladiador (Grêmio)
Lauro (Ponte Preta)
Léo Moura (Flamengo)
Leonardo (Criciúma)
Lima (Portuguesa)
Lincoln (Coritiba)
Lúcio Flávio (Paraná Clube)
Luís Alberto (Atlético-Pr)
Luís Fabiano (São Paulo)
Luís Ricardo (Portuguesa)
Maldonado (Corinthians)
Marcel (Criciúma)
Marcelo Lomba (Bahia)
Marco Antonio (Atlético-Pr)
Moisés/Meia (Portuguesa)
Moisés/Zagueiro (Portuguesa)
Neto Baiano (Goiás)
Paulo André (Corinthians)
Paulo Baier (Atlético-Pr)
Paulo Cesar (Sem Clube)
Rafael Moura (Internacional)
Rafael Sobis (Fluminense)
Roberto (Ponte Preta)
Rodrigo (Goiás)
Rogério Ceni (São Paulo)
Serginho (Criciúma)
Souza (Portuguesa)
Thiago Ribeiro (Santos)
Tinga (Cruzeiro)
Titi (Bahia)
Valdívia (Palmeiras)
Valdomiro (Portuguesa)
Victor (Atlético-Mg)
Wendel (Vasco)
William (Ponte Preta)
Zé Roberto (Grêmio)