neymar com camisa do Braça

A combinação é ótima e o momento, perfeito. A verdade é que a luz de Neymar tem produzido sombras no modesto campeonato paulista. Ponha-se no lugar dele. Enquanto o Santos joga contra o Flamengo do Piauí ou o Penapolense, assistimos, extasiados, ao show da Champions League, em que os verdadeiros craques viram heróis, sob os holofotes de estádios lotados, em jogo transmitido ao vivo para 136 países. O que qualquer um, com o talento, a idade e a história de Neymar preferiria? Jogar no estádio Albertão, em Teresina, ou no  Allianz Arena, em Munique?

É verdade: muitos podem alegar que Neymar só é capaz de dar seus dribles e arrancadas em defesas fracas e domésticas. Mas ainda que tenham razão, a aposta não é essa, e sim a de que Neymar haverá um dia de domesticar também defesas anglo-saxônicas. É isso que apostam a maioria dos torcedores, os técnicos da seleção e toda a classe futebolística internacional.

Inclusive o Barcelona. O “melhor time do mundo” enfrenta, no alto de seu palanque de craques e títulos, uma crise. Crise no Barcelona é como uma gripe: já tem data para acabar.

Mas daí é que uma mão lava a outra. Já não era segredo um certo “combinado” entre o Santos e o Barcelona de Neymar virar catalão de vez e fazer tabelas com Messi e Iniesta pela lado esquerdo do CampNou.

A “crise” do time espanhol, no entanto, reacendeu a pressão para levar o menino ao país catalão. O vice-presidente do Barcelona, Josep María Bartomeu, logo após o “terremoto Bayern”, andou pregando uma renovação em que o principal protagonista é Neymar.  Mais uma temporada européia está chegando ao fim e o Barcelona precisa injetar sangue novo, e de qualidade, no seu time espetacular para que sonhe em continuar espetacular. Neymar é o nome e é para já. Chega de esperar Copa, esperar contrato, esperar, esperar.

Do lado de cá, Neymar não tem mais o que esperar. Já passou a hora de ir, ganhar experiência, adquirir maturidade e esquecer um pouco o glamour de ser uma estrela solitária nos campos brasileiros.

A oportunidade é rara e são dois os motivos que o fazem ir. Tornar-se realmente uma estrela maior e salvar o Barcelona da decadência.