torcedor ingles na Copa_poucas_palavras

Andrew Spacey é um típico inglês de 58 anos: adora futebol e é um apaixonado pelo Brasil, embora nunca tenha estado aqui.Vive em Wakefield, pequena cidade ao norte da Inglaterra, dando aulas e escrevendo poemas obscuros. Desde que o Brasil foi eleito sede da Copa do Mundo, alimenta planos para conhecer o país e ver os jogos. Já está certo de que vai conseguir, mas formou opiniões a respeito do evento e do país que demonstram o que os estrangeiros esperam ao vir para cá. Veja seu depoimento:

 

“Não vejo a hora de passar algumas semanas no seu incrível país, ver a vida selvagem, as florestas, as praias, a natureza. Pretendo fazer São Paulo de base e viajar para os lugares onde haverá jogos da Inglaterra principalmente. Gostaria muito de pegar um ônibus ou trem e ir a Manaus, conhecer a Amazônia, e ver o jogo da Inglaterra contra o Uruguai, mas ouvi dizer que é perigoso pegar malária. Os ingleses nunca se deram bem com malária.

Tenho algumas preocupações. Por exemplo, segurança. Sei que não é muito seguro andar à noite nas ruas e dizem, aqui, que o mais aconselhável é me juntar a um grupo de pessoas confiáveis para ir a algum bar ou restaurante. Também estão pedindo cautela com os traficantes de drogas. Dizem que eles se aproximam das pessoas e se você não quiser comprar nada, podem te sequestrar e te levar para alguma favela.

Mas apesar disso, os ingleses admiram muito os brasileiros, um povo apaixonado, feliz, cheio de ritmos exóticos e que falam uma língua estranha que não é exatamente o português que a gente conhece de Portugal. Por que os brasileiros estão tão alegres na maior parte do tempo? É o sol, as praias, o café, as garotas de Ipanema, a luta por superar os obstáculos da vida? A máxima parece ser “don’t worry, be happy”.

Os brasileiros também têm samba e Carnaval — dança e drama, cores e loucura. Exatamente o oposto do que diz a sua bandeira nacional: ordem e progresso. Não consigo entender.

Muitos ingleses vêem o Brasil como um país de extremos. Pobreza extrema nas favelas em que o visitante corre risco por causa da violência das gangs e dos assaltos. Pretendo evitar esses lugares, se é que é possível. Mas também têm os meninos de ruas, uma realidade infame. Milhões vivem nas ruas, pedindo, mendigando, tomando drogas. Nós achamos tudo isso muito difícil de acreditar e aceitar.

Por outro lado, sabemos da existência da riqueza extrema. Ricos que vivem em áreas especiais,  sob forte segurança, guardados por cercas elétricas que afastam os criminosos.

Soube que, para a Copa do Mundo, alguns moradores pobres perderam suas propriedades para ceder o terreno aos novos estádios de futebol, construídos com custos enormes. Alguns desses pobres foram forçados a abandonar suas casas, o que não é nada bom. Tenho visto alguns documentários sobre isso na TV e essas pessoas têm sofrido muito, vítimas do interesse de grandes negócios que sempre serão prioridade.

As recentes manifestações que ocorreram no Brasil surpreenderam muitas pessoas aqui no Reino Unido. Foi difícil entender também. Afinal, brasileiros nas ruas protestando contra os gastos com a Copa do Mundo foi realmente um choque pra mim, porque sempre acreditei que a Copa fosse celebrada universalmente no Brasil.  Talvez haja uma mistura de reivindicações políticas nesses protestos, não acho que seja só contra a Copa. Mas também não tenho muita certeza.
A imagem externa do Brasil é uma confusão bestial. Um país organicamente gigantesco e feliz, com o povo usando camisas verde e amarelo, todos relaxando na praia acompanhados de algumas garotas lindas. Não é verdade que são só prostitutas, é? De todo jeito sabemos que há muita prostituição aí e imagino as esquinas dos centros da cidade abarrotadas de meninas conversando e negociando com homens sem camisa. Essa é a imagem que me vem. Parece que é costume dos homens não usar camisas, talvez porque faça muito calor, imagino.

Sabemos que o Brasil é um gigante, mas que está devorando a Amazônia, por força da ganância do poder, e por isso há muita disputa e briga dentro do país. O Brasil tem um dilema ecológico. Enquanto a floresta amazônica tem sido devastada, há muitos esforços para parar a ameaça da destruição total. Quem vai vencer essa batalha? Por quanto tempo ainda ela vai durar? Será que os políticos podem deter o poder das corporações?

Mas a natureza espiritual do Brasil não é melhor expressa pelo futebol, o “beatiful game”? No Brasil, o futebol não está acima de Deus e do café? Ou o futebol não é mais tão atraente aos jovens brasileiros?

Como fã do futebol tenho grande respeito por Pelé, Sócrates, Corinthians e o time brasileiro da Copa do Mundo de 1970, feito de artistas que jogavam com intuição. Eles conseguiram sem dúvida capturar a imaginação dos ingleses. A Copa do Mundo no Brasil é um sonho de vida para a maioria dos torcedores europeus e certamente dos ingleses.

Acho que a maioria dos torcedores estará concentrado no futebol sem se importar muito com os protestos e manifestações.Tudo que os torcedores querem é um tempo de férias, de diversão e de bom futebol. Mas, aqui, todos estão reclamando muito da distância entre as cidades sedes. É difícil compreender como um país possa ser tão grande e o motivo de se organizar os jogos em tantas sedes. Segundo a imprensa britânica, os preços das passagens aéreas e de estadias em hotel vão aumentar de 100 a 150% durante a Copa. É revoltante. O governo brasileiro deveria controlar hotéis e companhias aéreas, impedindo esse aumento de preço.

Alguns ingleses com poder aquisitivo estão comprando pacotes da agência Thompson Sport, que custam por volta de  8 mil libras (cerca de 30 mil reais), incluindo passagens aéreas e hotel, mas não os ingressos para os jogos.

Mas quem não tem tanto dinheiro, pesquisa alternativas. Uma delas é voar de Paris a Brasília, cuja passagem é mais barata, e se deslocar para os jogos de ônibus.

Estou esperando encontrar algumas dificuldades nesse sentido. Mas vou enfrentar. Sei que vou ver paisagens fantásticas, conhecer e fazer grandes amigos e ter uma experiência única nesse seu país selvagem e brilhante.

Exciting!!”